17 novembro 2014

Os atabaques na Umbanda.


Quando fundada por Zélio Fernandino de Moraes, a Umbanda contava apenas com os cânticos e com as palmas dos trabalhadores. Em um segundo momento, conforme algumas linhas de estudos, os Pretos Velhos pediram para que os atabaques fossem incluídos no ritual de Umbanda, visto que alguns deles participavam, enquanto encarnados, dos cultos africanos que se utilizavam desses instrumentos.

Curimba:
Esse é o nome dado ao grupo responsável pelos toques e cantos sagrados dentro de um terreiro de Umbanda.Os atabaques são os principais instrumentos da Curimba, sendo sua formação mais tradicional composta por três desses instrumentos:
  • Rum:    Atabaque de som grave.
  • Rumpi:  Ataque de som médio.
  • Lê:      Atabaque de som agudo.
As funções da Curimba:

"Preparação energética dos médiuns e do ambiente do Terreiro para facilitar a incorporação dos guias. Os Guias Espirituais que trabalham na Umbanda quando vêm para o Terreiro para incorporar em seus médiuns trazem junto consigo grande quantidade de energia imantada dos Tronos de Força ao qual estão ligados. O Ogã ao puxar determinado Ponto de Chamada invoca, através do Toque de seu Tambor, do “jeito” como o Ponto é cantado e das palavras que são invocadas, a energia desses Tronos de Força, trazendo essa energia para dentro do ambiente do Terreiro, sensibilizando os Médiuns e preparando a chegada do Guia que vem trabalhar".

Fonte:   Doutrina e Teologia de Umbanda Sagrada - Rubens Saraceni. 

Além disso, tanto o toque dos atabaques, quanto os cantos sagrados, quando ecoam pelo ambiente, tem forte atuação nos campos da limpeza e da concentração. O toque envolve a mente dos médiuns trabalhadores de forma a não permitir desvios de pensamento, induzindo o cérebro emitir ondas cerebrais diferentes das habituais, facilitando o fenômeno da incorporação.

As ondas energéticas/sonoras emitidas pela Curimba, vão tomando todo o centro de Umbanda e vão dissolvendo formas negativas criadas através do pensamento, energias pesadas agregadas nas auras das pessoas, diluindo miasmas, limpando e criando toda uma atmosfera psíquica com condições ideais para a realização das práticas espirituais. 

Os toques de Atabaque:

São cinco os toques de atabaque que acompanham os pontos cantados nos trabalhos de Umbanda:
  • Nagô – Toque com certa levada afro, é um dos toques mais utilizados.
  • Ijexá – Muito utilizado na Linha das Águas.
  • Barravento – Com características militares, ligado ao Orixá Iansã.
  • Angola – Primeiro toque introduzido na Umbanda, a maior parte dos Pontos é tocado nesse toque, tem certa semelhança com o Samba.
  • Congo – Com levada Afro e normalmente tocado rápido e com muita energia.
Por fim, vale a pena dizer que há uma infinidade de lições aguardando por um aspirante a curimbeiro. Esse deve ter firme em sua mente que a Umbanda tem fundamento e que para desenvolver um trabalho sério e eficaz, é imperativo que se estude a fundo tais fundamentos. Habitualmente tais conceitos eram passados de geração para geração, o que demonstrou-se um bom método para a manutenção da cultura, porém vale lembra que hoje em dia temos escolas de Curimba espalhadas pelo Brasil e pelo mundo, assim como também já contamos com cursos universitários focados na Umbanda.

Saravá.

0 comentários:

Postar um comentário